“A nossa obrigação é não falhar”

DentalPro: Que mensagem passou hoje aos alunos que iniciam o seu percurso académico em Medicina Dentária na Universidade Católica Portuguesa (UCP)?

Jorge Leitão: Muito simples. Agradeci o facto de nos terem escolhido, apesar de sermos o curso mais caro do mercado. Quanto maior o número de alunos a apostarem na qualidade do ensino que ministramos, maior o nosso grau de responsabilidade. O nosso ensino é altamente personalizado, com um rácio de quatro alunos por professor. Perante este cenário, a nossa obrigação é não falhar.

DP: Veio para Viseu para reformular o curso. Nestes seus três anos de trabalho, o que mudou?

JL: O grande desafio inicial residiu em trabalhar o horário, tornando possível fixar os professores durante o tempo lectivo necessário. Esta flexibilidade é fulcral no caso de universidades excêntricas, que, como a nossa, se situam fora dos grandes centros.

DP: Até chegarmos a 2010, a medicina dentária passou por momentos fracturantes e o nome Jorge Leitão não passou despercebido…

JL: Nos meus primeiros contactos com os médicos mais velhos, compreendi a necessidade de estipular um modelo de ensino organizado, que ultrapassasse as insuficiências do sistema de cursar medicina, fazer internato hospitalar e, só depois, optar por uma especialidade. Tendo em atenção a quase inexistência de serviços de estomatologia modernizados nas unidades hospitalares, o internato não garantia exercício clínico adequado à prática da especialidade. Ainda no final dos anos ’60 elaborou-se um modelo que conjugava a frequência do curso de medicina com o internato hospitalar num instituto de estomatologia e medicina oral. As tentativas foram muitas, mas nenhum dos modelos propostos vingou. Já nos anos ’70, a estomatologia exigia equipamentos dispendiosos, incomportáveis numa altura em que a prioridade era salvar vidas. Apostava-se sim em áreas como a cardiologia e a neurocirurgia. Remetidos para a lista de espera, por aí ficamos.

DP: Durante este longo processo de afirmação da especialidade, há alguns nomes que considere importante frisar?

JL: Colegas mais velhos como João Bação Leal, Falcato Simões ou Palma Leal, na secção sul, ou Esteves Pereira e Alcino Magalhães, no Porto, empenharam-se a sério nesta obra, visto que era um sonho profissional por concretizar. A estes nomes seguiram-se gerações mais novas, como Armando Simões dos Santos, Maló de Abreu, Campos Neves ou Fernando Peres. E todos nós, juntos, aderimos ao projecto, como fundadores das escolas de medicina dentária.

Leia esta entrevista na íntegra na próxima edição da DentalPro.

13 Outubro, 2010
Atualidade

Notícias relacionadas

Medicina dentária: pandemia indica que setor tem de se adaptar

A medicina dentária precisa de preparar para futuras crises, conclui um estudo feito pela Al-Quds University em Jerusalém, juntamente com o Ministério da Saúde Palestiniano em Ramala e a Universidade de Iowa (Iowa, Estados Unidos da América).

Ler mais 21 Abril, 2021
AtualidadeMedicina dentária