“Quis ser médico dentista para tratar pessoas”

DentalPro: A medicina dentária em geral e, mais especificamente, a investigação sempre foram áreas que o atraíram?

António Mata: Sim, sempre me atraíram. É um processo natural, começamos por fazer coisas mais simples e depois apaixonamo-nos por coisas mais complexas. Para mim sempre foi importante fazer clínica. Sempre gostei de investigação, mas quis ser médico dentista para tratar pessoas. Divido o meu tempo entre a docência, a investigação, o centro, a clínica e a família. Não é fácil, é uma vida muito preenchida, mas gosto de tudo com a mesma paixão. Se tivesse que optar não sei o que conseguiria responder, porque o meu coração fica muito dividido.

DP: É especializado na área da reabilitação oral. Como se deu esta escolha?

AM: Não sou especializado em reabilitação oral até porque a especialização não existe. No entanto, a área da reabilitação oral é apaixonante, pois devolvemos às pessoas a sua funcionalidade e o seu sorriso. Conseguimos completar o que o paciente procura em nós. Felizmente, em Portugal, a reabilitação oral tem uma qualidade excepcional. E, nesse sentido, foi um processo natural de amadurecimento, fui passando por várias áreas e acabei por me centrar mais nesta.

 

DP: Em 2006 criou um processo de branqueamento inovador. Que técnica revolucionária é esta?

AM: Foi um trabalho colectivo.Dirijo uma equipa de investigação onde desenvolvemos uma técnica diferente, que não chamaria de inovadora, mas distinta. Esta técnica gerou uma patente europeia conjuntamente com uma empresa de material dentário, a Vivadente. Esta ,  já tinha o produto, que tinha sido criado para usar em casa para branqueamento e que não tinha um efeito tão célere quanto os concorrentes. Mas tinha uma característica importante, que era a rápida libertação do princípio activo. O que fizemos foi redimensionar a aplicação, no sentido de passar a ser utilizada em consultório. Antes era uma técnica caseira e redimensionámos a utilização para ser aplicada em consultório, aproveitando a rápida libertação do princípio activo. Desta forma, com aplicações sequenciais em consultório durante uma hora, conseguimos o mesmo efeito que um produto caseiro mais prolongado.


Entrevista integral na DentalPro 39

3 Junho, 2011
Entrevistas

Notícias relacionadas

“Pretendemos que esta formação se situe na vanguarda”

Longínquo vai o ano de 1999, quando a base da especialização em periodontologia foi apresentada pela Faculdade de Medicina Dentária da Universidade do Porto (FMDUP). Volvidas mais de duas décadas, Ricardo Faria Almeida é o responsável pela nova pós-graduação de Periodontologia e Implantes da instituição portuense.

Ler mais 30 Março, 2021
Entrevistas

“Somos um sindicato democrático”

Em 2010, a DentalPro conversou com António Roseiro, o presidente do primeiro Sindicato dos Médicos Dentistas, instituição que acabou por desaparecer. Uma década depois, é constituído um novo organismo, o Sindicato dos Médicos Dentistas Português (SMDP), e não pudemos deixar de dar voz a João Neto, o seu membro fundador número um e presidente da assembleia-geral.

Ler mais 11 Janeiro, 2021
Entrevistas

“O nosso foco é a digitalização da ortodontia invisível”

Fundada em 2019, a Impress é uma rede de clínicas espanhola especializada em ortodontia invisível que aposta num serviço exclusivamente digital. Após uma primeira consulta presencial, os médicos dentistas fazem todo o acompanhamento dos pacientes através de uma app. Por meio de uma videochamada com Diliara Lupenko, cofundadora e Chief Operating Officer (COO) da Impress, ficámos a conhecer melhor este projeto.

Ler mais 31 Dezembro, 2020
Entrevistas