Morreu Fernando Peres

Assumindo uma acção pioneira no estabelecimento da medicina dentária em Portugal, o médico dentista Fernando Peres é uma figura de prestígio na classe. Sem esconder a sua vocação, o histórico traça hoje um percurso de autonomia marcado pela cumplicidade e pela vontade de ver crescer uma especialidade que define como “um universo de possibilidades”.


DentalPro: É hoje reconhecido como um dos “pais” da medicina dentária em Portugal. A que se fica a dever este respeito por parte dos seus colegas?

Fernando Peres: Eu e mais quatro colegas iniciámos as bases da medicina dentária em Portugal, ao constituir a primeira escola de medicina dentária a 20 de Novembrode 1976. Esta batalha começou no pós-25 de Abril, no seguimento de uma grande reunião de estomatologistas em Aveiro. Nessa altura criou-se a Comissão Nacional para o Estudo da Estomatologia em Portugal, da qual eu fazia parte. Este organismo acabou por morrer à partida, já que o processo de autonomização da medicina dentária toma forma numa altura em que as faculdades de medicina se encontravam repletas de alunos. Aproveitando o momento, eu, na qualidade de responsável pelo serviço de estomatologia do Hospital de S.João, o responsável pelo mesmo serviço no Hospital Santo António, Adão Pereira, o representante dos estomatologistas livres, Campos Neves, o encarregado pela parte de estomatologia da Ordem dos Médicos, Machado Capelas, e o representante da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto (FMUP), Esteves Pereira, criámos uma comissão, que levou à edificação da Escola Superior de Medicina Dentária do Porto (ESMDP).

DP: Que recordações guarda desses momentos pioneiros?

FP: Recordo as primeiras reuniões, onde convocámos outros colegas, que ocorreram na minha primeira clínica no Porto. Aí concebemos o corpo clínico da ESMDP. Tudo surgia de uma forma muito espontânea. Lembro-me que a primeira comunicação entre nós e o Ministério da Educação foi ainda com papel da FMUP. Guardo com especial carinho o facto de, por coincidência de horário, ter ministrado a primeira aula da ESMDP, que foi de a de Cirurgia Oral.

DP: Pensa como estomatologista ou médico dentista?

FP: A estomatologia ocupa a minha mente, a medicina dentária domina o meu coração. A medicina dentária diz mais de mim, porque contribui para a sua criação, saiu das minhas mãos e há algo de mim impresso na sua história. Foi algo que se cravou em mim.

 

Entrevista na íntegra na DentalPro nº9

2 Setembro, 2011
Atualidade

Notícias relacionadas