Colares para as dores de dentes em bebés podem ser prejudiciais

Imagem da notícia: Colares para as dores de dentes em bebés podem ser prejudiciais

Estão a tornar-se moda por diminuírem o desconforto do nascimento dos primeiros dentes, mas não são muito bem vistos por alguns especialistas em segurança infantil e pediatras. Estamos a falar dos colares de âmbar, apresentados atualmente como um remédio homeopático tradicional para a dentição do bébé.

Em declarações à agência Lusa, o pediatra Mário Cordeiro realça a falta de evidência no que concerne à diminuição do desconforto ou inflamação da dentição e acrescenta que é importante que estes colares não sejam utilizados em crianças com idade inferior a quatro ou cinco anos por perigo de asfixia.

“Não esquecer que no pescoço passam vasos sanguíneos essenciais. Não creio que um resquício de feitiçaria, misturado com moda e status social mereçam o risco de morte ou de asfixia grave”, argumenta o pediatra.

Corrobora da mesma opinião a Associação para a Promoção da Segurança Infantil (APSI), que não recomenda que crianças pequenas andem com qualquer tipo de objeto ou fios à volta do pescoço.

“Até os próprios fios da roupa foram proibidos para crianças, por perigo de acidentes de estrangulamento. Em crianças, bebés ou mesmo maiores não se quer nada à volta do pescoço”, explicou à agência Lusa, Sandra Nascimento, da APSI.

 

11 Março, 2013
Atualidade


Notice: Undefined variable: cats in /home/dentalpro/public_html/wp-content/themes/revista-codigopro-2017-v5/single.php on line 71

Notícias relacionadas

Futuro da Ortodontia

Artigo de opinião de Pedro Costa Monteiro, médico dentista e mestre em ortodontia e ortopedia facial sobre o dia Mundial da ortodontia, que se celebra hoje, dia 15 de maio.

Ler mais 15 Maio, 2022
AtualidadeMedicina dentáriaOpinião

Clínica Arriaga apoia ucranianos

Roberto Henriques, diretor clínico da Clínica Arriaga, nesta altura complicada para a Ucrânia, foi um dos nobres desta profissão que decidiu ajudar o povo que lá permanece em sinal de apoio e solidariedade. “Incentivamos a recolha de bens essenciais, como medicamentos e produtos alimentares com base numa lista de necessidades”.

Ler mais 10 Maio, 2022
Atualidade