Mercúrio pode ser especialmente prejudicial para as crianças

Imagem da notícia: Mercúrio pode ser especialmente prejudicial para as crianças

Um estudo americano revela que as amálgamas dentárias podem ter efeitos nocivos no cérebro das crianças, devido às variantes de uma proteína presente no corpo humano.

A metalotioneína, proteína de baixo peso molecular, é responsável pela concentração e transporte de metais no corpo humano.

Conforme as várias variantes, o perigo da absorção de materiais tóxicos para o ser humano como o mercúrio é considerável.

O estudo da Universidade de Washington avaliou 330 crianças, 164 rapazes e 166 raparigas entre os oito e os 12 anos e conclui que os rapazes são os mais suscetíveis.

Através de análises à urina durante sete anos, apurou-se que o mercúrio, potenciado pela metalotioneína, afetou a visão, aprendizagem, atenção e funções motoras.

Independentemente dos resultados deste estudo, sabe-se que as ligas de mercúrio são utilizadas por serem opções mais baratas que as de cerâmica ou resina composta.

A contaminação dá-se com a libertação de um gás durante o processo de colocação da liga, ao longo dos anos e, a mais crítica, quando é retirada daí que seja recomendado entregar este trabalho a um profissional credenciado.

Como sintomas da intoxicação destacam-se os vómitos, hemorragias nas gengivas, estomatite, queda de dentes ou dentes moles e um sabor a metal na boca.

O mercúrio é dos materiais mais tóxicos existentes, cuja interação com o ser humano deve ser o mais evitável possível.

29 Julho, 2013
Atualidade

Notícias relacionadas

Novembro em números

Fique a conhecer as cinco notícias mais lidas no nosso site durante o mês de novembro de 2020, segundo dados do Google Analytics.

Ler mais 2 Dezembro, 2020
Atualidade

Grande Prémio Ciência Viva distingue Alexandre Quintanilha

Alexandre Quintanilha foi distinguido com o Grande Prémio Ciência Viva, pela sua ação notável na promoção da cultura científica. Destaque ainda para o Campeonato Nacional de Jogos Matemáticos, galardoado com o Prémio Ciência Viva Educação, e para a campanha de educação “2 Minutos para Mudar de Vida, que recebeu o Prémio Ciência Viva Media.

Ler mais 24 Novembro, 2020
Atualidade

Elixir bucal pode eliminar o coronavírus?

A pesquisa – liderada pela Universidade de Cardiff, no Reino Unido – afirma que os elixires bucais que contenham 0,07% de cloreto de cetilpiridínio (CPC) estão a mostrar “sinais promissores” na redução do vírus.

Ler mais 20 Novembro, 2020
Atualidade