Desenvolvido processo de bioimpressão na Austrália

Imagem da notícia: Desenvolvido processo de bioimpressão na Austrália

O Instituto Menzies, da Universidade de Griffith, Austrália, está a desenvolver uma tecnologia de bioimpressão, que possibilita tratamentos alternativos para perda dentária e regeneração de tecidos.

Saso Ivanovski, docente naquele estabelecimento de ensino, liderou a investigação de cinco anos, cuja base está na utilização das células do próprio paciente para conceber outras novas, de forma indolor.

A extração possibilita criar células ideais que incluem todos os componentes necessários para reconstruir de forma exata o osso ou tecido gengival.

O processo reside na tomografia computadorizada na região afetada, cujo resultado seria encaminhado para uma bioimpressora 3D, algo que pode ser realizado em qualquer centro de saúde regional.

O projeto foi financiado com 650 mil dólares para prolongar a pesquisa em três anos, mas, no final deste ano ou início do próximo, começarão os ensaios pré-clínicos.

 

18 Abril, 2016
Atualidade

Notícias relacionadas

Novembro em números

Fique a conhecer as cinco notícias mais lidas no nosso site durante o mês de novembro de 2020, segundo dados do Google Analytics.

Ler mais 2 Dezembro, 2020
Atualidade

Grande Prémio Ciência Viva distingue Alexandre Quintanilha

Alexandre Quintanilha foi distinguido com o Grande Prémio Ciência Viva, pela sua ação notável na promoção da cultura científica. Destaque ainda para o Campeonato Nacional de Jogos Matemáticos, galardoado com o Prémio Ciência Viva Educação, e para a campanha de educação “2 Minutos para Mudar de Vida, que recebeu o Prémio Ciência Viva Media.

Ler mais 24 Novembro, 2020
Atualidade

Elixir bucal pode eliminar o coronavírus?

A pesquisa – liderada pela Universidade de Cardiff, no Reino Unido – afirma que os elixires bucais que contenham 0,07% de cloreto de cetilpiridínio (CPC) estão a mostrar “sinais promissores” na redução do vírus.

Ler mais 20 Novembro, 2020
Atualidade