Tecnologia ‘wearable’ domina medicina

Imagem da notícia: Tecnologia ‘wearable’ domina medicina

Um recente estudo publicado pela Frost & Sulivan revelou que o mercado global de produtos ‘wearable’ representou 5,1 mil milhões de dólares em 2015. No entanto, o mesmo documento estima que até 2020 o mesmo mercado consiga 18,9 mil milhões em vendas, um crescimento de cerca de 270% em cinco anos.

Os valores justificam-se pela crescente aposta em tecnologia comercializável, procura por este género de serviços e ‘wearables’ (dispositivos equipáveis como os relógios inteligentes) para monitorizar doenças crónicas e outros propósitos clínicos.

Um outro estudo, da IDTechEx, revelou que o segundo maior mercado destes dispositivos é o da “Saúde, medicina, fitness e bem-estar”, apenas ultrapassado pelo segmento “Infotainment avançado”, preenchido pelos equipamentos inteligentes da Apple e Samsung.

No caso da saúde, estes produtos objetivam ajudar o profissional a acompanhar de forma mais aproximada e personalizável os seus pacientes, como os monitoramentos biométricos para registar batimentos cardíacos.

Embora seja um mercado em franca expansão, os desafios imediatos são os custos elevados e a falta de políticas de segurança, mas ambos os estudos revelam que serão ultrapassados com o tempo, mediante o surgimento de tecnologia aprimorada.

 

26 Julho, 2016
Atualidade

Notícias relacionadas

Novembro em números

Fique a conhecer as cinco notícias mais lidas no nosso site durante o mês de novembro de 2020, segundo dados do Google Analytics.

Ler mais 2 Dezembro, 2020
Atualidade

Grande Prémio Ciência Viva distingue Alexandre Quintanilha

Alexandre Quintanilha foi distinguido com o Grande Prémio Ciência Viva, pela sua ação notável na promoção da cultura científica. Destaque ainda para o Campeonato Nacional de Jogos Matemáticos, galardoado com o Prémio Ciência Viva Educação, e para a campanha de educação “2 Minutos para Mudar de Vida, que recebeu o Prémio Ciência Viva Media.

Ler mais 24 Novembro, 2020
Atualidade

Elixir bucal pode eliminar o coronavírus?

A pesquisa – liderada pela Universidade de Cardiff, no Reino Unido – afirma que os elixires bucais que contenham 0,07% de cloreto de cetilpiridínio (CPC) estão a mostrar “sinais promissores” na redução do vírus.

Ler mais 20 Novembro, 2020
Atualidade