Células mesenquimais podem tratar lesões dentárias

Imagem da notícia: Células mesenquimais podem tratar lesões dentárias

Resultados de um ensaio clínico de fase I revelam que a implantação autóloga de células estaminais mesenquimais é uma abordagem segura no tratamento de doentes com polpa dentária necrótica após trauma, permitindo a regeneração progressiva do tecido da polpa dentária.

No ensaio, que pretendeu avaliar a tolerância e segurança da implantação de células mesenquimais de origem dentária (MSCs), foram incluídos 40 doentes que apresentavam o tecido da polpa dentária em necrose após trauma.

Aos dez jovens do grupo controlo foi efetuado o procedimento standard para este tipo de condição e aos restantes foram implantadas MSCs de origem dentária do próprio doente.

Ao fim de seis, 12 e 24 meses verificou-se a regeneração progressiva do tecido da polpa dentária, com evidente formação das estruturas características deste tecido nos doentes tratados com MSCs. Tais resultados não se verificaram nos doentes intervencionados com o procedimento habitual.

“Pela capacidade regenerativa demonstrada e tendo sido observado que os resultados se mantiveram após 24 meses, esta abordagem poderá ser uma opção de tratamento para lesões dentárias após trauma e vir a constituir uma alternativa aos procedimentos usados habitualmente”, afirma Carla Cardoso, investigadora do departamento de I&D da Crioestaminal.

As MSCs são células multipotentes que se podem diferenciar em vários tipos celulares, como células neuronais, entre outros. Estas podem ser isoladas de várias fontes incluindo os dentes, a medula óssea e o cordão umbilical, exibindo uma elevada capacidade proliferativa, aliada a funções imunomodeladoras e de regeneração de tecidos.

20 Novembro, 2018
Medicina dentária

PUBLICIDADE SDS | Straumann

Notícias relacionadas

Juntos por uma carreira no SNS

"Não somos alheios quanto à vossa expectativa na criação de uma carreira no SNS" - refere a nova secretária de Estado da Saúde durante o Congresso da OMD.

Ler mais 19 Novembro, 2018
AtualidadeMedicina dentária