OMD contesta inclusão de dentistas no regime fiscal dos residentes não habituais

Imagem da notícia: OMD contesta inclusão de dentistas no regime fiscal dos residentes não habituais

A Ordem dos Médicos Dentistas (OMD) quer que o Ministério das Finanças retire os médicos dentistas da lista de atividades profissionais que servem de referência ao regime fiscal dos residentes não habituais.

A decisão de incluir os profissionais de medicina dentária foi recebida com estupefação pela OMD que lamenta não ter sido consultada e a forma centralista e autista como esta medida foi tomada. Em carta enviada ao Ministério das Finanças, a OMD exige saber quais os critérios que estão na base desta decisão e qual o impacto que esta medida vai ter, nomeadamente os danos para a receita fiscal.  

O bastonário da OMD, Orlando Monteiro da Silva, recorda que “como é do conhecimento público, Portugal tem o dobro dos médicos dentistas recomendados pela Organização Mundial de Saúde. A OMD tem feito consecutivos avisos sobre esta situação às entidades oficiais competentes, incluindo aos ministérios das Finanças, da Saúde e da Economia, ao Instituto de Emprego e ao INE, entre muitos outros. O mercado de trabalho não tem capacidade para absorver os cerca de 500 novos profissionais que anualmente saem das faculdades. A precaridade na profissão é enorme, sobretudo entre os mais jovens. A emigração de médicos dentistas tem crescido exponencialmente nos últimos anos e há já 1500 profissionais a exercer no estrangeiro. É absolutamente lamentável que alguém no Terreiro do Paço, sem ouvir quem está no terreno, tome uma decisão tão absurda como esta”.

Para a OMD, esta decisão promove uma concorrência desleal com base na fiscalidade, não incrementa valor na economia nacional e sobretudo não defende as populações que podem ver a qualidade de serviço colocada em causa. 

Orlando Monteiro da Silva diz que “esta medida é extremamente lesiva e sobretudo afrontosa para os médicos dentistas que cumprem com esforço as suas obrigações fiscais e com a segurança social, sem falar no pagamento de seguros e taxas à Entidade Reguladora da Saúde. São médicos dentistas que agora vão trabalhar ao lado de colegas que residem no estrangeiro a beneficiar de taxas fixas de IRS de apenas 20% porque o Ministério das Finanças português tem apenas como fim arrecadar receita sem olhar a meios e sobretudo a consequências. Mais uma vez constatamos que, apesar de a OMD ao longo dos anos ter sempre dialogado com as suas diversas tutelas e ter claramente e de forma sistemática apresentado as questões que afetam o setor, os diversos ministérios que de forma direta ou indireta tutelam a medicina dentária não atuam de forma articulada e tomam medidas contrárias ao exigido pela realidade. Mais gravoso nos parece, pois esta medida afeta diretamente quer a prestação de cuidados de saúde às populações, quer uma profissão regulada”.

A decisão das Finanças vai permitir aos profissionais de medicina dentária a viver no estrangeiro que se mudem para Portugal usufruir de benefícios fiscais, pagando uma taxa fixa de IRS de 20%. 

26 Julho, 2019
Medicina dentária

Notícias relacionadas

1º Mestrado em Higiene Oral arranca a 30 de outubro

A Faculdade de Medicina Dentária da Universidade de Lisboa (FMDUL) criou o primeiro Curso de Mestrado em Higiene Oral, tanto em Portugal como na Europa, e destina-se a titulares de grau de licenciado em Higiene Oral ou equivalente legal. As aulas deste curso, coordenado por Henrique Soares Luís, arrancam já no próximo dia 30 de outubro.

Ler mais 21 Outubro, 2020
FormaçãoMedicina dentária