Petição: Apoio urgente para o setor da medicina dentária

Imagem da notícia: Petição: Apoio urgente para o setor da medicina dentária

Está a circular nas redes sociais uma petição, assinada por Ricardo Conceição e Marta Figueiredo (OMD 04148), que tem como objetivo pedir apoio urgente para o setor da medicina dentária.

“Após um mês e meio da suspensão da atividade de medicina dentária devido à Covid-19, através do Despacho n.º 3301-A/2020, este setor foi esquecido e abandonado. A prestação de cuidados de saúde oral é na sua maioria prestada pelo setor privado. Com exceção de 100 consultórios em centros de saúde, serviços hospitalares, ou faculdades, toda a saúde oral é assegurada pela iniciativa privada que superam os 6000 consultórios, ou seja 98% dos consultórios são privados. O setor da medicina dentária tem quase 50.000 profissionais, sendo a maioria médicos dentistas, técnicos de prótese dentária, assistentes dentárias entre outros”.

Mais, “os médicos dentistas são profissionais liberais, que são sócios-gerentes das suas empresas ou estão no regime de recibos verdes. Também existem muitos técnicos de prótese nestas situações. Este setor, ao contrário do que a opinião pública julga, tem margens de exploração baixas, como se pode constatar nos quadros de setor do Banco de Portugal, o CAE 86230 tem média de margem líquida de 4%. Também é de salientar que 25% das empresas desta atividade tiveram prejuízo em 2018. Das 5476 empresas com atividade em medicina dentária em 2018, 5324 eram microempresas”. 

Acrescentam: “Devemos realçar que até ao momento não existiu nenhum apoio específico para este setor, ao contrário de outros, e que nenhum outro setor teve repercussões tão negativas (quebras de faturação superiores a 95%). O apoio para sócios-gerentes não tem enquadramento neste setor porque os consultórios têm funcionários, como as assistentes de consultório e as rececionistas. Ou seja, o dentista sócio gerente não tem enquadramento. No caso do regime de recibos verdes os apoios existentes são inferiores ao valor da contribuição da segurança social. Não só é preocupante este período de suspensão de atividade, mas mais ainda em que condições será retomada a atividade, uma vez que a utilização de todos os equipamentos de proteção individual necessários e adoção de medidas necessárias de prevenção terá implicações de perda de produtividade que poderá chegar aos 50%. A saúde oral sempre foi ignorada pelo estado português e neste momento pode colapsar. 

Apelam por isso a medidas urgentes de apoio a este setor, nomeadamente: 
– Redução da taxa de IVA para 6% de todos os EPIs e produtos consumidos em medicina dentária ou, em alternativa, a possibilidade das empresas recuperarem o IVA. Esta atividade está isenta de IVA, o que implica que o IVA dos produtos adquiridos são custo para as mesmas. 
– Isenção ou redução significativa das taxas de licenciamento de radiologia, que neste momento são valores extremamente exagerados para a atividade, e desburocratização dos processos de licenciamento de radiologia. 
– Apoio aos consultórios na aquisição de equipamentos de proteção individual que cumpram as normas necessárias, a preços justos e com tempos de entrega aceitáveis. O impedimento de acesso a estes equipamentos após a retoma de atividade pode condicionar fortemente a oferta de cuidados de saúde oral e ter implicações graves no SNS. 
– Criação de uma linha de financiamento para a atividade de medicina dentária à semelhança de outras atividades como a restauração, turismo e agências de viagem. 
– Apoios a fundo perdido de 2/3 da redução de faturação comparativamente com a média dos 6 meses anteriores para as empresas e profissionais no regime de recibos verdes, para as atividades de medicina dentária e fabricação de próteses dentárias. 

A petição pode ser assinada aqui.

30 Abril, 2020
Medicina dentária

Notícias relacionadas

1º Mestrado em Higiene Oral arranca a 30 de outubro

A Faculdade de Medicina Dentária da Universidade de Lisboa (FMDUL) criou o primeiro Curso de Mestrado em Higiene Oral, tanto em Portugal como na Europa, e destina-se a titulares de grau de licenciado em Higiene Oral ou equivalente legal. As aulas deste curso, coordenado por Henrique Soares Luís, arrancam já no próximo dia 30 de outubro.

Ler mais 21 Outubro, 2020
FormaçãoMedicina dentária