Eleições OMD 2020: Comunicado de João Neto

Imagem da notícia: Eleições OMD 2020: Comunicado de João Neto

O médico dentista João Neto endereçou o seguinte comunicado à redação da DentalPro, a propósito da exclusão da sua lista – C – do ato eleitoral para a Ordem dos Médicos Dentistas (OMD):

Caros colegas,

Desde o preâmbulo da nossa candidatura que deixamos claro que a lista C – João Neto, era constituída por clínicos, com desapego por cargos políticos. Apesar deste desafio acarretar prejuízo pessoal e profissional, o facto de almejarmos por uma melhor Ordem de e para os Médicos Dentistas, constituía um grande estímulo.

A nossa classe está, infelizmente, num processo de desvalorização profissional, decadência do relacionamento entre pares e sem perspetiva de uma melhoria à vista. Consideramos que entrámos numa espiral negativa, e só a conseguimos inverter com uma OMD forte, unida e tomando medidas imediatas.

Na nossa opinião, só a nossa lista teria essa capacidade agregadora e propostas exequíveis no programa. Temos vontade e independência para executar o nosso programa, sem conflito de interesses. Era nosso desiderato contribuir para essa missão zelando pela dignidade, função social e prestígio profissional. Assim, pretendíamos representar todos os Médicos Dentistas assumindo uma liderança honrada na defesa da qualidade da Medicina Dentária e por conseguinte em prol dos doentes e da saúde oral.

Somos e seremos um grupo de colegas independentes que, sem personalizar o tema, não se revê no estado atual a que a nossa profissão chegou, nem se contenta com o trabalho desenvolvido pela nossa OMD nos últimos anos.

Sabemos que, enquanto classe, somos capazes de fazer mais e melhor.

Verificámos que alguns dos nossos pontos programáticos afiguram-se agora noutros programas de outros candidatos e ainda bem que assim foi, pois, desta forma, já valeu a pena todo o nosso trabalho.

O planeamento da nossa candidatura foi pensado para as eleições inicialmente apontadas para o dia 12 de setembro de 2020, e fomos surpreendidos pela decisão da comissão eleitoral (CE), no sentido de anteciparem o evento eleitoral para o dia 27 de junho, principalmente nesta fase da limitação de movimentos atenta a pandemia Covid.

Em boa verdade, e em pleno estado de emergência, no dia 23 de Abril de 2020, o Prof. João Caramês faz o seguinte comunicado aos colegas: “sendo o limite legal para realização da assembleia geral eleitoral, o dia 30 de junho de 2020, determina-se que no dia 27 de junho de 2020 será realizado o ato eleitoral da OMD”.

Esta opção afetou de forma irremediável a organização da nossa Lista. Mas, mesmos assim, prosseguimos esse nosso objetivo.

Atentamos, logo no início, esclarecer dúvidas que resultavam da leitura do regulamento eleitoral, tentando, por diversas vezes, o contacto telefónico com a OMD (nomeadamente nos dias 4, 5, e 6 de Maio), sem sucesso, pelo que optámos pelo envio de email, tendo obtido como resposta a pura remissão para o texto dos Estatutos e Regulamento, o que muito contribuiu para o atraso na elaboração da nossa lista.

Todo o dossier da nossa candidatura foi executado por colegas Médicos Dentistas, em tempo record. Vimo-nos a braços com a indicação de pretensos erros e vícios, passíveis de correção. Contudo, cada correção efetuada servia para que, em reunião seguinte, fossem apontados novos vícios e correções a fazer.

Não obstante, e porque fomos obrigados a recorrer da decisão da Comissão Eleitoral para o Conselho Deontológico e de Disciplina, eis que a Comissão Eleitoral decide remeter para todos os boletins de voto por via postal, apenas com duas listas. Sentimos que estávamos a ser excluídos. De resto, a data fixada – o dia 15 de junho de 2020 – como data limite para o envio, por via postal, dos boletins de voto, coincide com a data em que o nosso recurso foi rececionado.

Demos conta de toda esta factologia ao nosso atual bastonário, Exmo. Sr. Dr. Orlando Monteiro, a pedir esclarecimentos e intervenção, mas, até à presente data, não obtivemos qualquer resposta.

No entanto, para a história restam as atas da comissão eleitoral, que devem ser tornadas públicas para o escrutínio de toda a classe.

O processo terminou, para nós, nesta última semana.

Notoriamente a Ordem não é pensada, por quem tem o poder, para os médicos dentistas, mas sim para perpetuar o estado atual em que se encontra.

Poderíamos avançar com um processo de impugnação judicial das eleições, mas, atento o facto de estarmos a menos de 5 dias úteis do evento, certamente que tal traria alarido e poderia comprometer a boa imagem da classe. Por esse mesmo motivo, não extravasámos este caso para fora do nosso meio, incluindo a comunicação social, não obstante a insistência e interesse de muitos jornalistas.

Pautamos a nossa conduta por uma honestidade, cordialidade e elevação que achamos que a nossa classe merece.

Mas, não podemos deixar de repor a verdade dos factos e de evidenciar as dificuldades que foram impostas à nossa Lista, quando, como estabelece o regulamento eleitoral, a comissão eleitoral deve assegurar iguais oportunidades a todas as listas concorrentes.

Uma última palavra e promessa a todos vós, médicos dentistas: não desistimos e iremos continuar!

Acreditamos que só com união, perseverança e solidariedade, é possível um percurso que devolva a lídima integridade, respeito, qualidade e ética à nossa profissão.

Acreditamos no futuro da Medicina Dentária.
Acreditamos em todos nós. 

Obrigado a todos os colegas. 

22 Junho, 2020
AtualidadeMedicina dentária

Notícias relacionadas

Covid-19: médicos dentistas contra novo confinamento

O bastonário da Ordem dos Médicos Dentistas (OMD), Miguel Pavão, revelou no sábado que a classe "rejeita a ideia de um novo confinamento", após a sua atividade ter sido afetada pela pandemia de Covid-19, mas prometeu colaboração em qualquer outra circunstância.

Ler mais 27 Outubro, 2020
Medicina dentária