“O que pretendemos acima de tudo foi marcar presença no setor”

Imagem da notícia: “O que pretendemos acima de tudo foi marcar presença no setor”

Com mais de 28 anos de experiência no mercado dentário, a Apex optou por consolidar a sua imagem na 23ª edição da Expo-Dentária.

“O objetivo do nosso ‘stand’ foi essencialmente o de mostrar todos os nossos produtos que representamos. Não há necessariamente novidades, o que pretendemos acima de tudo com o nosso espaço na Exponor foi marcar presença no setor”, explicou-nos António Ribeiro, responsável da Apex.

Por isso, na génese esta empresa, sediada no Porto, pretendeu fidelizar os clientes, “algo muito importante” mas, sobretudo, “fazer novos conhecimentos e aumentar a rede de contactos”.

O maior destaque que António Ribeiro mencionou foi o raio x 3D, com estreia relativamente recente, que “tem bastante procura e um preço aceitável para uma tecnologia nova”.

O balanço foi, portanto, “bastante bom”, embora tenha surpreendido este experiente profissional, não só porque “se encheram cedo os corredores do recinto”, mas igualmente pela “elevada curiosidade dos visitantes pelos diferentes materiais”.

António Ribeiro concluiu com esperança de que “a economia em Portugal melhore, para que o mercado nunca pare. Se as pessoas não tiverem dinheiro suficiente para ir ao dentista, este profissional deixa de comprar material dentário. Mas o futuro avizinha-se positivo, as dificuldades não vieram para ficar. Temos de ser sempre positivos”.

22 Dezembro, 2014
Atualidade

Notícias relacionadas

Grande Prémio Ciência Viva distingue Alexandre Quintanilha

Alexandre Quintanilha foi distinguido com o Grande Prémio Ciência Viva, pela sua ação notável na promoção da cultura científica. Destaque ainda para o Campeonato Nacional de Jogos Matemáticos, galardoado com o Prémio Ciência Viva Educação, e para a campanha de educação “2 Minutos para Mudar de Vida, que recebeu o Prémio Ciência Viva Media.

Ler mais 24 Novembro, 2020
Atualidade

Elixir bucal pode eliminar o coronavírus?

A pesquisa – liderada pela Universidade de Cardiff, no Reino Unido – afirma que os elixires bucais que contenham 0,07% de cloreto de cetilpiridínio (CPC) estão a mostrar “sinais promissores” na redução do vírus.

Ler mais 20 Novembro, 2020
Atualidade