“Há falta de professores clínicos”

Imagem da notícia: “Há falta de professores clínicos”

João Pimenta pondera que, desde que saiu do ensino há cerca de 13 anos, não sabe o estado em que se encontra a prática de formação de Medicina Dentária em Portugal. Explicou-nos porquê.

“Sei, sim, que os novos médicos dentistas saem da faculdade com uma formação deficiente. Quanto a mim, deveria ser obrigatório executarem um número mínimo de atos clínicos para entrarem na OMD. Como é admissível saírem da faculdade sem terem executada uma única prótese fixa ou terem extraído um simples dente incluso? Há falta de professores clínicos e liga-se, cada vez mais, a publicações científicas em detrimento do ‘saber fazer’. Na Europa, com o processo de Bolonha, o ensino mediocrizou-se ainda mais… É tempo de a OMD impor regras de entrada na profissão e, quem não as cumprir, não entra e não pode exercer. E essas regras têm que passar por um número mínimo de atos clínicos realizados e documentados”.

Leia o resto das opiniões na DentalPro 81, aqui.

20 Outubro, 2014
Atualidade

Notícias relacionadas