Nova membrana promete biocompatibilidade

Imagem da notícia: Nova membrana promete biocompatibilidade

A Nobel Biocare estreia no mercado a ‘creos xeno.project’, uma membrana de colagénio reabsorvível para facilitar a regeneração óssea e assim tornar a prática clínica mais simples.

Este novo produto de origem porcina obteve estudos clínicos e resultados iniciais, realizados pelos profissionais de Medicina Dentária após um extenso período de pré-lançamento.

Segundo a marca, a membrana tem excelentes qualidades de manuseamento, mantendo o tamanho quando hidrata e é resistente à rutura, que diminui desta forma os problemas ao dobrar e desdobrar, o posicionamento sem deslocação do enxerto e menos risco de se danificar o equipamento.

A ‘creos xeno.project’ está disponível em três dimensões – 15x20mm, 25x30mm e 30x40mm – idealizados para aplicação em pequenos defeitos periodontais até à regeneração de grandes defeitos ósseos.

Esta panóplia de tamanhos permite o ajuste ideal sem a necessidade de um recorte extenso e, assim, desperdício.

Tem ainda a função de barreira prolongada, que permite uma reabsorção lenta da membrana para proteção do enxerto, durante o período de cicatrização.

Desta forma cumpre os padrões estabelecidos pela indústria na biocompatibilidade ou revascularização, visto que é produzida sem qualquer produto químico de reticulação.

Este é um produto dentro da linha ‘creos’, uma linha de equipamentos regenerativos que serão lançados gradualmente durante este ano

12 Fevereiro, 2014
Atualidade

Notícias relacionadas

Grande Prémio Ciência Viva distingue Alexandre Quintanilha

Alexandre Quintanilha foi distinguido com o Grande Prémio Ciência Viva, pela sua ação notável na promoção da cultura científica. Destaque ainda para o Campeonato Nacional de Jogos Matemáticos, galardoado com o Prémio Ciência Viva Educação, e para a campanha de educação “2 Minutos para Mudar de Vida, que recebeu o Prémio Ciência Viva Media.

Ler mais 24 Novembro, 2020
Atualidade

Elixir bucal pode eliminar o coronavírus?

A pesquisa – liderada pela Universidade de Cardiff, no Reino Unido – afirma que os elixires bucais que contenham 0,07% de cloreto de cetilpiridínio (CPC) estão a mostrar “sinais promissores” na redução do vírus.

Ler mais 20 Novembro, 2020
Atualidade