“Coisas dos abatimentos”

Imagem da notícia: “Coisas dos abatimentos”

Crónica da médica dentista Cátia Íris Gonçalves.

“Borlas.
Descontos, atençõezinhas, miminhos, abatimentos.
Porra! É isso mesmo.
ABATIMENTO.
É ficar abatido, ser-se pisoteado, ficar-se refém do abate.
Porque se pedincha tanto, neste país, na nossa área?
Eu sei que este país não é meigo para os que sofrem de patologias orais. Eu sei.
Mas as coisas estão a mudar, com o projecto de integração de médicos dentistas em unidades de medicina dentária no sector público, oferecendo uma oportunidade justa, digna e realista à nossa população – apesar de, economicamente falando, assim de repente, eu não esteja a ver bem como se arranjará o dinheiro para a coisa, mas como não percebo nada de fundos, economias e gestões, prefiro não estragar a felicidade do sentido de justiça e de democratização da saúde oral que esta medida me inspira.
Não, ainda não vão chegar as unidades de medicina dentária para cobrir a população que não pode recorrer ao privado e sim, vai demorar, o processo de criação de unidades suficientes e capazes de responderem a todas as necessidades. Não tenho contactos nem informações privilegiadas ou interinas, são apenas palpites. (Palpita-se bastante, depois de uns anos a trabalhar e a ver telejornais neste país).
À parte o problema político-económico que tem bloqueado a prestação de cuidados de saúde oral pública – que não é de menosprezar, entenda-se e cuja resolução, pessoalmente, nunca achei que passasse pela criação dos cheques-dentista (mas isso são outros quinhentos) – expliquem-me, se puderem, uma coisinha só.

Porque. É. Que. Na. Nossa. Área. Todos. Os. Dias. Nos. Pedem. As. Malditas. Borlas. E. Descontinhos.

Na. Nossa. Área.

Só.”

Artigo completo na DentalPro 101. Já leu?

 

14 Julho, 2016
Atualidade

Notícias relacionadas