“Esta não é uma batalha de alguns, é de todos e de sempre”

Imagem da notícia: “Esta não é uma batalha de alguns, é de todos e de sempre”

A propósito da integração da medicina dentária no Sistema Nacional de Saúde, Orlando Monteiro da Silva – bastonário da Ordem dos Médicos Dentistas (OMD) – afirmou recentemente que se trata de uma reivindicação antiga dos médicos dentistas.

“Começaria com uma referência histórica. Em 1986, éramos ainda a Secção de Medicina Dentária da Ordem dos Médicos e foi elaborado um projeto que foi enviado, pelos dirigentes da OMD de então, à ministra da Saúde Leonor Beleza que exigia ao Governo a criação de carreiras de medicina dentária nos centros de saúde e hospitais. Nunca se conseguiram resultados. O projeto foi metido na ‘gaveta’, foi a justificação então dada. Como vemos, o assunto tem ‘barbas’. 30 anos passaram. Assim que iniciei a condução dos assuntos institucionais da OMD, o modelo alternativo de integração no SNS que entendi ser o exequível no sentido de uma efetiva prestação de cuidados curativos à população foi o da criação de um programa público de adesão voluntária, mas a que todos os médicos dentistas pudessem aderir e que otimizasse a rede de clínicas e consultórios instalados. Esta integração da medicina dentária concretizar-se-ia, através do investimento do capital do Estado sim: através da aquisição de serviços de medicina dentária, ao setor privado, para os utentes do SNS, em consultórios privados, com serviços prestados por médicos dentistas: o chamado cheque-dentista. Mais tarde, mais um passo foi dado. Através, ainda, da iniciativa do atual Governo que decidiu começar a testar a justificação de uma carreira própria através do que chamam de experiência piloto: adquirindo-se, por concurso, serviços de medicina dentária a médicos dentistas para a prestação dos mesmos a utentes do SNS nas instalações do SNS. Corria o ano de 2016 e o projeto expandiu-se, em 2017, com o concurso que agora decorre. A reclamação da criação de uma carreira nunca parou, da parte da OMD e dos médicos dentistas. Todos queremos esse reconhecimento para a profissão. Esta não é uma batalha de alguns, é de todos e de sempre”.

O responsável acrescentou, respondendo à contestação de um grupo de médicos dentistas às regras do concurso de acesso ao SNS, que “há formas diferentes de estar e de ver a profissão. Sempre haverá. Essas divergências devidamente integradas devem ser apresentadas pelos respetivos protagonistas à consideração dos médicos dentistas. Mesmo os que reclamam, diríamos de tudo, legitimam este desígnio ou porque o pretendiam ter alcançado antes, ou porque contestam a forma e não o conteúdo. As críticas, todas elas, devem servir à construção de algo, mas a reclamação gratuita, sem rumo e sobretudo quando não se preocupa em informar-se antes de opinar, cria uma minoria que rapidamente é confrontada com a realidade e as suas próprias contradições. Agora chamo a atenção para algumas derivas e formas de estar que, pessoalmente, me preocupam. Muitos focos de divergência não me parecem orientados para o bem da profissão no seu todo, visam defender privilégios que deixaram de ser possíveis conservar, visam diminuir a capacidade de colegas terem mais opções de exercer, etc. O populismo de que tanto se fala vai invadindo as diversas áreas da nossa sociedade e eu espero que os médicos dentistas não permitam que, na nossa área, ele frutifique. As formas de atuar são as de sempre: a intolerância, os falsos moralismos, o aproveitamento de um ambiente económico que não é favorável a muitos, aliados a uma linguagem fácil que se aproveita das tais pós-verdades. Dou-lhe um exemplo que pode parecer caricato, mas que é absolutamente verdadeiro: a linguagem técnica da despesa pública, ou seja, o que o Estado está autorizado a gastar é agregada em lotes de euros. Pois houve quem transferisse num discurso, vão e leviano, o termo financeiro de lote para agregar os próprios colegas em lotes. Isto é divulgado como uma verdade. Mas é apenas ignorância. Houve ainda tentativas de confundir a informação. Afirmou-se categoricamente que a Ordem tinha negociado a carreira de técnicos superiores de saúde. Ora, como referi a opção é a oposta. É uma compra de serviços pelo Estado a médicos dentistas. Estas atitudes são altamente censuráveis, de um autismo opinativo perigoso. Digo perigoso pois a sociedade está atenta aos comportamentos e em última análise quem apregoa falsidades arrisca-se a colocar em causa toda uma imagem de profissionais. Felizmente a realidade fala mais alto e a maioria dos colegas não se deixa embalar por estes cantos de sereia. E nos seus consultórios continua a prestigiar e a credibilizar a profissão”.

Entrevista na íntegra no site da OMD.

4 Maio, 2017
AtualidadeEntrevistas

Miele Professional apresenta a solução inovadora Pay-per-use

Notice: Undefined variable: cats in /home/dentalpro/public_html/wp-content/themes/revista-codigopro-2017-v5/single.php on line 71

Notícias relacionadas

Laboratório Juliana André celebra um ano “de mudança de instalações”

A 1 de outubro o Laboratório de Prótese Dentária Juliana André assinalou um ano desde a inauguração das novas instalações, na Rua Padre António Vieira 226, em Valongo. Um ano depois o balanço é “muito positivo”. Conversámos com Juliana André que nos contou mais sobre esta mudança e as novidades que se avizinham.

Ler mais 27 Outubro, 2021
AtualidadePrótese dentária

Iniciativa da Mundo A Sorrir distinguida pelo Prémio BPI Fundação ”la Caixa” Solidário 2021

O Prémio BPI Fundação “la Caixa” Solidário 2021 distinguiu a iniciativa RITE - Programa de Reabilitação Individual para o Trabalho e Emprego, promovida pela Mundo A Sorrir. O programa visa contribuir para a melhoria da saúde oral de desempregados que se encontram integrados em projetos de empregabilidade desenvolvidos na Área Metropolitana do Porto.

Ler mais 26 Outubro, 2021
AtualidadeMedicina dentária

Carlos Diniz em entrevista

Com 27 anos, Carlos Diniz fundou aquele que chegou, mais tarde, a ser o maior grupo de clínicas dentárias integradas em Portugal, também com presença em Espanha. Porém, após anos de sucesso, “O meu dentista” enfrentou um processo de reestruturação que terminou em insolvência. Nada que fizesse Carlos baixar os braços. Como refere nesta entrevista à DentalPro, fez o luto e ergueu-se de novo. Fundou recentemente a DENTRAL, que se assume como uma revolução na medicina dentária e a maior aliança de clínicas dentárias.

Ler mais 22 Outubro, 2021
Entrevistas