Portugal desenvolve primeira máscara que inativa o vírus SARS-CoV-2

Imagem da notícia: Portugal desenvolve primeira máscara que inativa o vírus SARS-CoV-2

A máscara MOxAdTech superou com sucesso os testes realizados pelo Instituto de Medicina Molecular João Lobo Antunes (iMM), que a tornam na primeira máscara com capacidade de inativar o vírus que causa a Covid-19. Totalmente made in Portugal, o inovador projeto de cooperação entre a comunidade empresarial, académica e científica para o desenvolvimento de uma máscara reutilizável de elevado desempenho tinha já o comprovativo de proteção microbiana, acrescentando agora a capacidade do tecido de inativar o vírus SARS-CoV-2, agente que provoca a Covid-19.

A MOxAd-Tech, que resultou inicialmente da cooperação entre a fabricante Adalberto, a retalhista de moda MO da Sonae Fashion, o iMM, o centro tecnológico CITEVE, e a Universidade do Minho assume-se, assim, como a primeira máscara que inativa o vírus SARS-CoV-2. Este projeto pretende, desde a primeira hora, reforçar a proteção pessoal na atual situação de pandemia, tornando acessível o vestuário técnico ao maior número de pessoas possível.

Os testes realizados pelo iMM permitem aferir a eficácia da máscara MOxAd-Tech na inativação da Covid-19. A máscara beneficia de um revestimento inovador que neutraliza o vírus SARS-CoV-2 quando este entra em contacto com o tecido, efeito que se mantém mesmo depois da realização de 50 lavagens. Como resultado, a máscara oferece um elevado nível de proteção adicional, uma vez que tem a capacidade de inativar o vírus.

Pedro Simas, investigador e virologista do iMM, coordenou os testes que qualificam o tecido como tendo propriedades anti-virais e afirma que “de forma simplificada, estes testes consistem na análise do tecido após o contacto com uma solução que contém uma determinada quantidade de vírus, cuja viabilidade se mede ao longo do tempo. Os testes à máscara MOxAdtech revelaram uma inativação eficaz do SARS-CoV-2 mesmo após 50 lavagens, onde se observou uma redução viral de 99% ao fim de uma hora de contacto com o vírus, de acordo com os parâmetros de testes indicados na norma internacional ISO18184:2019”.

Francisco Pimentel, administrador da MO, realça: “Este projeto é um excelente exemplo de cooperação entre instituições nacionais para criar um produto inovador e disponibilizá-lo às famílias num prazo muito curto. Os testes do iMM vieram comprovar a nossa afirmação de que a MoxAdTech é melhor máscara de proteção social, reforçando todas as certificações já conquistadas. Estamos cientes da importância deste projeto para a comunidade e orgulhosos por, em conjunto com os nossos parceiros, estarmos a cumprir a missão da Sonae de levar os benefícios do progresso e da inovação a um número crescente de pessoas”.

Susana Serrano, CEO da Adalberto, acrescenta: “A máscara MOxAd-Tech é inovadora a nível mundial, pois inclui diferentes camadas de proteção e um tratamento repelente à água que permite neutralizar bactérias e vírus quando estes entram em contacto com a máscara. Esta solução tornou-se possível por existir uma cooperação entre várias entidades distintas, que colocaram o seu conhecimento e capacidade ao serviço da comunidade para ajudar na proteção das famílias portuguesas”.

As máscaras MOxAd-Tech apresentam também características antimicrobianas, com eficácia comprovada contra vírus e bactérias, estando a sua tecnologia acreditada a nível internacional. O princípio ativo já tinha sido testado com sucesso por um reconhecido instituto francês, nomeadamente contra o vírus H1N1 e vírus Corona-type, bem como contra o rotavírus. 

A MOxAd-Tech está também certificada para a proteção respiratória de partículas externas, conferida pela elevada capacidade de retenção de partículas da fibra/malha. A nível nacional, obteve certificação de máscara social de nível 2 profissional pelo CITEVE, com capacidade testada de retenção de partículas de 95% após 10 lavagens. A nível internacional, MOxAd-Tech já está certificada para 50 lavagens, nomeadamente em França pela Direccion Generale de Entreprises, onde os testes realizados pela entidade certificadora oficial Francesa comprovam que a máscara mantém uma retenção de partículas de 96% mesmo após 50 lavagens. A máscara cumpre com todos os requisitos presentes na nova harmonização de regulamentação europeia, de acordo com a publicação CWA_17553_2020. 

Este produto apresenta ainda a certificação OEKO-Tex, comprovando a ausência de produtos químicos nocivos durante o processo de fabrico, o que significa que é inofensivo em termos ecológicos humanos.

27 Julho, 2020
Atualidade

Notícias relacionadas

Boas férias

A equipa da DentalPro deseja aos seus queridos leitores um verão repleto de sol, descanso e tranquilidade. Aproveitamos para informar que a redação estará encerrada entre os dias 1 e 16 de agosto de 2020.

Ler mais 31 Julho, 2020
Atualidade

Prevenir a transmissão do SARS-CoV-2 no SNS

Com o objetivo de criar um programa de monitorização para prevenir a transmissão do coronavírus SARS-CoV-2 nas instituições do Serviço Nacional de Saúde (SNS), uma equipa multidisciplinar da Universidade de Coimbra (UC), liderada por Gil Correia, está a desenvolver um estudo para identificar os pontos críticos de contaminação em diversas superfícies e no ar interior e verificar a eficácia das medidas de higienização implementadas nos espaços.

Ler mais 22 Julho, 2020
Atualidade

Como aumentar o número de pacientes no consultório?

A California Dental Association (CDA) acredita que melhorar os protocolos de segurança, publicar conteúdo informativo e educacional nas redes sociais e usar a telemedicina para se manter ligado aos pacientes são medidas que poderão eventualmente aumentar a atividade no consultório dentário.

Ler mais 22 Julho, 2020
AtualidadeMedicina dentária