César Mexia de Almeida em entrevista

Imagem da notícia: César Mexia de Almeida em entrevista

Para o professor catedrático aposentado, César Mexia de Almeida, um verdadeiro “oficial e cavalheiro”, o Coordenador Nacional da Promoção da Saúde Oral (CNPSO) da Direção Geral de Saúde (DGS) deve ser um estomatologista, médico dentista ou higienista oral com pós-graduação em saúde oral preventiva e comunitária, ao invés do que sempre aconteceu. A solução deve passar, segundo argumenta, “por selecionar o CNPSO em concurso público, com um caderno de encargos competentemente elaborado”.

DentalPro: No seguimento do seu comentário ao artigo “Prevalência e necessidades de tratamento da cárie nos portugueses” (III Estudo Nacional de Prevalência das Doenças Orais – III ENPDO), como classifica o estado da saúde oral no nosso país?

César Mexia de Almeida: Nas últimas dezenas de anos realizaram-se grandes progressos no ensino no âmbito da saúde oral, com reflexos na assistência à população e no exercício de excelência em muitas especialidades. Consequentemente o estado da saúde oral sofreu grandes melhorias. Mas há ainda muito por fazer, quer na prevenção quer no tratamento, em particular nos jovens, adultos e seniores de grupos com maiores dificuldades económicas das zonas rurais e periferias dos grandes centros urbanos.

DP: Porque reagiu negativamente a alguns aspetos daquele artigo referente à publicação do III ENPDO no CDH?

CMA: É um trabalho com muitos aspetos claramente positivos mas tem uma omissão relevante que é o facto de não referir que houve estudos de âmbito também nacional efetuados antes, concretamente os Inquéritos Nacionais Exploradores (INE) de 83-84, 89-90 e 98-99. A justificação que os seus autores apresentam é que o método de amostragem utilizado nos ENPDO é mais representativo, pelo que não há razão para citar estudos anteriores que usam um método menos robusto do ponto de vista do cálculo da sua representatividade. Mas o ponto fraco deste argumento é que este método usado nos 3 INE (Pathfinder Surveys na designação da OMS) é proposto pela própria OMS no manual com instruções para os estudos da saúde oral (Oral Health Surveys – Basic Methods) cuja última edição é de 2013 e é preparada por três autores sendo que o primeiro é Poul Erik Petersen em representação da OMS. Neste manual considera-se que os estudos exploradores, pathfinder na designação original, fornecem “reliable and clinically relevant information… at minimal expense” daí a sua escolha, pela própria OMS, em 1982, para os estudos em Portugal.

Saiba mais na DentalPro 121.

8 Fevereiro, 2018
Entrevistas

Notícias relacionadas

“Sempre tive paixão por tudo o que faço”

Das passerelles para os consultórios de medicina dentária, Carlos Adriano, fundador das Klinikas We Care, revelou à DentalPro as bases do seu sucesso. Uma viagem de Moçambique até ao Parque das Nações, com uma paragem pelo Saldanha para uma rápida sessão fotográfica.

Ler mais 11 Dezembro, 2017
Entrevistas

Porto acolhe congresso internacional de laser

O congresso internacional Laser Europe 2017 decorre na cidade Invicta entre os dias 9 e 11 de novembro. Falámos com Paula Ramôa, a presidente do congresso e da ALTEC, a entidade responsável pela organização, e com Luís Monteiro, um dos rostos do evento em Portugal.

Ler mais 2 Novembro, 2017
Entrevistas