Coisas que não se deve fazer (quanto mais não fosse porque irritam um morto)

Imagem da notícia: Coisas que não se deve fazer (quanto mais não fosse porque irritam um morto)

Crónica da médica dentista Cátia íris Gonçalves publicada na DentalPro 145:

É verdade, esta crónica/checklist já tardava, mas aqui está. Não, não vou explicar os porquês: vocês tiraram o mesmo curso que eu e, por motivos de assépsia ou sanidade mental, todos os items abaixo descritos têm motivos para se encontrarem listados.

E perguntam vocês, “mas quem é esta, que se acha no direito de fazer checklists de certos e errados, glossários e outras colecções de informação aleatória de fonte altamente duvidosa?

Sou eu mesma, vossa colega que neste ano irá completar 20 anos de retalhos e compósitos virados, com um fraquinho por sínteses escritas de items mais ou menos pertinentes e capazes de arrepiar aquela habitualmente plácida raiz de cabelo da nuca.

Apertem os cintos e bebam um chá de tília antes de começar; coragem.

Aqui vai:

  1. Passar a ponta da agulha da anestesia no babete
  2. Usar diminutivos fofinhos para fazer parecer tudo inofensivo (piquinha, aspiradorzito, etc.)
  3. Ver o paciente com a máscara abaixo do nariz
  4. Usar luvas um tamanho acima (dedos a sobrar)
  5. Compor o cabelo, mexer no rato do computador, teclado ou outras superfícies de frequência bacteriana questionável com as luvas postas
  6. Usar “vozes fofinhas” para falar com crianças ou adultos
  7. Dizer aos pacientes “pode engolir, o sangue é seu” (de quem é que haveria de ser o sangue, idiota??? Teu??? Dá cá o teu diploma!)
  8. Dizer “desvitalizar”, “tirar”, “arrancar”, “chumbar”, etc.
  9. Durante a consulta, soprar para dentro da luva que se tirou para a voltar a utilizar
  10. Expor conversas privadas com a assistente durante o tratamento (Então, Maria, como é que está da micose? Melhorzinha?)
  11. Soprar para a prótese para limpar os resíduos de acrílico desgastado
  12. Ir ao café de bata
  13. Cheirar a lima de endodontia a meio do tratamento
  14. Dizer que é menino/a quando o dente sai
  15. Dizer que vai buscar a marreta para anestesiar como se tivesse piada
  16. Dizer para dar um beijinho no aspirador
  17. Dizer para abrir a boca como um leão
  18. Pousar os instrumentos no peito do/a paciente, em cima do babete
  19. Meter o indicador em cunha no vestíbulo para afastar o lábio
  20. Mandar dizer que está em cirurgia quando apenas está a extrair um dente com mobilidade grau III

… (A completar por cada um de vocês)

2 Março, 2020
Opinião

Notícias relacionadas

Nélio Veiga: o ensino da medicina dentária em período pandémico

Nélio Veiga, coordenador do segundo ciclo de estudos do Curso de Mestrado Integrado em Medicina Dentária (MIMD) da Faculdade de Medicina Dentária da Universidade Católica Portuguesa (FMD-UCP), fala-nos sobre o ensino da medicina dentária e dos grandes desafios das universidades nesta fase de adaptação.

Ler mais 8 Outubro, 2020
FormaçãoMedicina dentáriaOpinião

Francisco do Vale: o ensino da medicina dentária em período pandémico

Francisco do Vale, coordenador do Curso de Mestrado Integrado em Medicina Dentária (MIMD) e da Área de Medicina Dentária (AMD) da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra (FMUC), fala-nos sobre o ensino da medicina dentária e dos grandes desafios das universidades nesta fase de adaptação.

Ler mais 6 Outubro, 2020
FormaçãoMedicina dentáriaOpinião