Nélio Veiga: o ensino da medicina dentária em período pandémico

Imagem da notícia: Nélio Veiga: o ensino da medicina dentária em período pandémico

Nélio Veiga, coordenador do segundo ciclo de estudos do Curso de Mestrado Integrado em Medicina Dentária (MIMD) da Faculdade de Medicina Dentária da Universidade Católica Portuguesa (FMD-UCP), fala-nos sobre o ensino da medicina dentária e dos grandes desafios das universidades nesta fase de adaptação.

“O ano letivo na Faculdade de Medicina Dentária da Universidade Católica Portuguesa teve início a 22 de setembro e vai decorrer de acordo com o ‘novo normal’. Tal como todas as faculdades do país, a FMD-UCP estabeleceu um plano de contingência desde março de 2020, plano esse que tem vindo a ser ‘atualizado’ de acordo com as diretrizes da DGS e da Ordem dos Médicos Dentistas (OMD). À semelhança de algumas faculdades, houve o regresso dos alunos às aulas desde junho de 2020, cumprindo as regras de segurança preconizadas e o plano de contingência referido. Assim, o ano letivo 2020/2021 será uma continuidade de todo este procedimento. Posso dizer que a única diferença em termos de gestão foi a necessidade de prever com muita antecipação (mais de dois meses) a ocupação dos espaços. Assim os horários previstos para o arranque das aulas em setembro foram divulgados no fim de julho de modo a que todos estivessem preparados para o regresso”.

E acrescenta: “A necessidade de ter os espaços de clínica e pré-clínico ocupados pelos mais de 200 alunos que utilizam esse espaço, bem como a gestão de todos os outros alunos no edifício fez com que, à semelhança de outras instituições de ensinos superior, algumas das aulas estejam previstas online. No entanto, como é óbvio, as aulas que implicam treino manual (pré-clínico) ou atendimento de pacientes (clínica) são obrigatoriamente presenciais. Adicionalmente, todas as aulas dos alunos do primeiro ano serão também presenciais, pois consideramos que é muito importante os alunos conhecerem a ‘sua casa’ e terem a experiência de estar na universidade. Para os alunos, mas com especial foco os dos anos e turmas com aulas em clínica e pré clínico, foram preparadas sessões de informação, esclarecimento e treino que lhes permitem perceber como devem circular no edifício, como utilizar corretamente os equipamentos de proteção individual (EPI), como devem desinfetar o equipamento dentário onde vão atender um paciente, ou em que estão a fazer o treino manual, etc.. Estas ações foram já realizadas para os alunos que tiveram aulas presenciais (os finalistas) mas serão repetidas para todos os alunos na semana antes do início das aulas”.

Entrevista completa no Especial Formação da DentalPro.

8 Outubro, 2020
FormaçãoMedicina dentáriaOpinião

Notícias relacionadas

1º Mestrado em Higiene Oral arranca a 30 de outubro

A Faculdade de Medicina Dentária da Universidade de Lisboa (FMDUL) criou o primeiro Curso de Mestrado em Higiene Oral, tanto em Portugal como na Europa, e destina-se a titulares de grau de licenciado em Higiene Oral ou equivalente legal. As aulas deste curso, coordenado por Henrique Soares Luís, arrancam já no próximo dia 30 de outubro.

Ler mais 21 Outubro, 2020
FormaçãoMedicina dentária

IDS desafia a Covid-19 e trilha novos caminhos para 2021

A incerteza causada pela “crise Covid-19” em curso é também percetível na indústria dentária. Nos últimos meses, os organizadores da 39ª edição do International Dental Show (IDS), em conjunto com a Koelnmesse, têm estado intensamente ocupados com os critérios de segurança, o que faz com que a presença física numa feira internacional como o IDS seja possível.

Ler mais 19 Outubro, 2020
EventosMedicina dentária