“Cuidar das pessoas foi o pedido nº1 da Straumann”

Imagem da notícia: “Cuidar das pessoas foi o pedido nº1 da Straumann”

Depois de um ano fora do seu habitat natural, voltou para o setor da medicina dentária com a mochila cheia de soft skills, que guarda com carinho. Os caminhos que percorre há mais de 15 anos no setor levam-no, desde o início de 2021, a palmilhar ainda mais quilómetros. A distância entre Madrid e Portugal pode ser pequena, mas a vontade em superar os objetivos é grande. Considera-se um insider que vê a segmentação e a organização da empresa como prioridades. Fomos conhecer, o novo General Manager Iberia do Grupo Straumann, António Moutinho.

Foi o seu perfil, focado nos mercados e dinâmicas do sul da Europa, e historial comprovado de trabalho na indústria de dispositivos médicos, que levou ao convite do Grupo Straumann?

Eu gosto de pensar que sim, mas eu julgo que foi uma mistura de coisas. É óbvio que com a minha experiência no setor, nos últimos 15 anos, pode-se dizer que sou um insider no mercado dentário. Tirando um ano de interregno, por obrigação contratual, por terminar a minha ligação com a Nobel/Danaher, sou um insider, não só na Península Ibérica, assim como, no sul da Europa. Isso levou a Straumann a procurar alguém que liderasse o projeto ibérico do Grupo Straumann e que já tivesse provas dadas e, suponho sem qualquer tipo de imodéstia que a minha carreira e o meu currículo não foram um travão. Foi isso que o Grupo (Straumann) procurou, mas não foi a única.

Obviamente que há uma parte da minha gestão, das minhas soft skills, que são uma mais-valia para organizações que saem desta pandemia, que precisam de se reorganizar, de olhar para dentro da estrutura, saber como se pode cuidar melhor das pessoas, saber como se pode ser mais feliz no local de trabalho, como as pessoas podem produzir mais à distância. São tudo novas vertentes no mercado, que o Grupo está muito preocupado com elas e quer catapultar e otimizar. Isso é uma das minhas prioridades para este ano é olhar para dentro da Straumann, olhar para as pessoas que fazem parte das minhas equipas e garantir que elas tenham as melhores condições, a melhor formação, a melhor liderança.

O que o levou a sair de Portugal em plena pandemia para assumir um novo cargo no estrangeiro?  O que significa este convite, nesta altura?

Isso é uma excelente questão. O facto de estarmos em ano pandémico e eu aceitar de novo ir para fora de Portugal, foi algo que obviamente pensamos na família. Fazer estes quilómetros entre Portugal e Espanha não é novidade, faço-o desde 2011, portanto tenho os mecanismos todos montados. Hoje em dia na globalização que temos, Espanha é aqui ao lado. Madrid está a quatro horas de carro. São 50 minutos de avião. Há pessoas que fazem isso diariamente. Eu não sou exceção. Temos que nos sentir abençoados por termos este tipo de oportunidades e conseguirmos fazer coisas ainda importantes e que vão certamente valorizar a minha carreira.

Qual foi o principal pedido que os responsáveis do Grupo Straumann lhe endereçaram neste novo projeto?

O pedido número um foi: cuidar das pessoas. Quando digo cuidar das pessoas, digo cuidar dos nossos clientes, cuidar dos nossos colaboradores, dos nossos formadores para cuidar da comunidade científica que dá suporte à Straumann. Estes stakeholders precisam de ser cuidados. Uns proporcionando mais formação, outros mais ferramentas com algum incentivo. A pandemia ensinou-nos que precisamos de olhar para as pessoas. Algumas delas são nossos clientes, outros serão no futuro e algumas delas são já, os nossos colegas, os nossos funcionários.

Este e outros são os seus objetivos pessoais nesta nova aventura profissional?

Obviamente que sim. Diria que cuidar da estrutura interna do Grupo Straumann e dos clientes que necessitam de ajuda. Exemplos: de soluções que precisam, como gerir a situação pandémica, como gerir os planos de tratamento necessários, ajudá-los a digitalizar o fluxo de informação que têm na clínica, abraçar novas áreas de negócio como a ortodontia invisível, com os alinhadores, ter novas soluções protéticas. Enfim, as necessidades são de tal forma abrangentes, que em qualquer ponto de paragem do Grupo Straumann, vou ter uma solução para propor e vou ajudar as pessoas a crescer através dessas soluções.

Entrevista completa na DentalPro 58.

14 Maio, 2021
AtualidadeRevista

Notícias relacionadas

Mundo A Sorrir aposta na capacitação em saúde oral, oftalmologia e psiquiatria na Guiné-Bissau

“Saúde A Sorrir: Educação para a Saúde” é o nome do projeto de cooperação da Mundo A Sorrir com a população da Guiné-Bissau, que pretende contribuir para o fortalecimento institucional do sistema de saúde e para a melhoria da saúde pública e oral. O projeto é financiado pela Direção Geral da Saúde e International College of Dentists.

Ler mais 23 Junho, 2021
AtualidadeMedicina dentária