“Não sinto a pressão dos resultados financeiros”

Imagem da notícia: “Não sinto a pressão dos resultados financeiros”

 

 

 

A directora técnica e de assuntos regulamentares da farmacêutica Angelini assume a mediação com as autoridades da entrada dos medicamentos da companhia em território português. Mafalda Mendonça referiu à DentalPro quais as linhas de orientação da actual investigação em fármacos e antecipou as próximas apostas na área da higiene oral.

 

DentalPro: O que é que a Angelini reserva para a área da medicina dentária?

Mafalda Mendonça: A Angelini tem o seu próprio centro de Investigação & Desenvolvimento (I&D), localizado em Itália, mais precisamente em Sta Palomba, Roma. De lá têm saído produtos bem conhecidos no nosso mercado na área da medicina dentária e amplamente prescritos pelos médicos dentistas e estomatologistas, como o Tantum Verde e o Tantum Protect, para a higiene oral, o Aulin e o Donulide.

 

DP: No que se refere à ética dos grandes grupos farmacêuticos, sente na sua actividade diária a pressão dos resultados financeiros?

MM: Não, não sinto pressão dos resultados financeiros. Sinto antes a enorme responsabilidade de contribuir activamente para os bons resultados da empresa onde trabalho. Relativamente aos preços/ética dos grupos farmacêuticos, gostaria apenas de referir que os valores dos medicamentos obedecem a legislação própria e resultam da aplicação de requisitos muito específicos em termos de cálculo e de comparação periódica com os valores praticados em Espanha, França, Itália e Grécia – países considerados como referência.

 

DP: Os quatro pilares da indústria farmacêutica, a investigação, o desenvolvimento, a produção e a comercialização, fragmentam-se com a deslocalização das unidades produtivas. É, de facto, a melhor alternativa para o avanço do ramo?

MM: Penso que, como em outros sectores de mercado, nos dias de hoje, a indústria farmacêutica deve redefinir as suas estratégias de actuação. O tempo disponível para a rentabilização de cada medicamento é cada vez mais curto. Os custos de I&D estão cada vez maiores e os critérios de qualidade sempre mais exigentes. Este ramo trabalha com medicamentos, ou seja, com excelência em termos de qualidade, segurança e eficácia. Para manter essa perfeição no estrito cumprimento de todas as boas práticas e normas internacionais, em conjugação com a pressão imposta pela concorrência, a gestão eficiente de recursos e o estabelecimento de parcerias estratégicas surge, praticamente, como uma imposição.

 

DP: Está neste momento dedicada a algum projecto em específico?

MM: Na área da medicina dentária estamos a trabalhar na preparação do ‘dossier’ técnico de um novo produto para a higiene oral diária, especialmente formulado para dentes e gengivas sensíveis, com vista ao seu lançamento no mercado nacional num futuro muito próximo.

 

DP: Qual é o desafio futuro para a área da investigação farmacêutica?

MM: Passará, certamente, por ultrapassar a escassez de novas moléculas e pela capacidade de inovar, fazendo uso das novas tecnologias. Uma maior interdisciplinaridade entre a tecnologia farmacêutica clássica e, por exemplo, a biotecnologia, a nanotecnologia, entre outras, poderá contribuir para o desenvolvimento de novas formas farmacêuticas, fármacos com perfis cinéticos mais ajustados e com menor toxicidade, enfim, para o maior bem-estar do doente.

 

BIO: Ana Mafalda Mendonça nasce a 23 de Fevereiro de 1965 em Cascais. Integra a Faculdade de Farmácia da Universidade de Lisboa em 1983, para completar a licenciatura em Ciências Farmacêuticas. A sua vida profissional é dedicada na totalidade aos medicamentos, com experiência nas áreas de farmácia de oficina, controlo de qualidade, implementação de sistemas de qualidade e assuntos regulamentares. Na Angelini assume a função de directora técnica e de assuntos regulamentares. O seu trabalho passa por obter e manter as autorizações de introdução no mercado nacional de todos os medicamentos comercializados, assim como proceder ao seu registo e notificação junto das entidades competentes.

 

 

21 Outubro, 2009
Entrevistas

Notícias relacionadas

“Pretendemos que esta formação se situe na vanguarda”

Longínquo vai o ano de 1999, quando a base da especialização em periodontologia foi apresentada pela Faculdade de Medicina Dentária da Universidade do Porto (FMDUP). Volvidas mais de duas décadas, Ricardo Faria Almeida é o responsável pela nova pós-graduação de Periodontologia e Implantes da instituição portuense.

Ler mais 30 Março, 2021
Entrevistas

“Somos um sindicato democrático”

Em 2010, a DentalPro conversou com António Roseiro, o presidente do primeiro Sindicato dos Médicos Dentistas, instituição que acabou por desaparecer. Uma década depois, é constituído um novo organismo, o Sindicato dos Médicos Dentistas Português (SMDP), e não pudemos deixar de dar voz a João Neto, o seu membro fundador número um e presidente da assembleia-geral.

Ler mais 11 Janeiro, 2021
Entrevistas

“O nosso foco é a digitalização da ortodontia invisível”

Fundada em 2019, a Impress é uma rede de clínicas espanhola especializada em ortodontia invisível que aposta num serviço exclusivamente digital. Após uma primeira consulta presencial, os médicos dentistas fazem todo o acompanhamento dos pacientes através de uma app. Por meio de uma videochamada com Diliara Lupenko, cofundadora e Chief Operating Officer (COO) da Impress, ficámos a conhecer melhor este projeto.

Ler mais 31 Dezembro, 2020
Entrevistas