Ser delegado

Imagem da notícia: Ser delegado

Crónica da médica dentista Cátia íris Gonçalves publicada na DentalPro 143:

Esse personagem real que, mal chegamos à clínica, já está sentado na sala de espera com um sorriso, aguardando-nos com uma malinha e que, ao contrário dos pacientes, diz que vela o tempo que for preciso por 5 minutos da nossa atenção.

Um delegado de propaganda médica tem uma vida quase tão ingrata como um médico dentista. Também tem que lidar com pessoas (pior: médicos dentistas), tem que saber do seu produto, tem que saber de gestão, psicologia e marketing. Tem uma costela de ciência e duas de publicidade. Mais uma ou duas vértebras de psiquiatria.

Tem um carro tão desarrumado como o nosso. Conhece bem o país e os melhores cafés e restaurantes das terras. Utiliza quilómetros para descontar nos impostos e sapatos confortáveis para calcorrear as mais improváveis e acidentadas ruas. Come a horas impróprias comida de qualidade duvidosa e aprendeu a sobreviver a elevadas doses de cinismo e hipocrisia. Tem um doutoramento em simpatia e outro em multas de estacionamento. Tem varizes, a coluna vertebral quase tão estragada quanto a nossa (de carregar malas de panfletos e material) e contracturas no músculo risório. Tem conta aberta na Samsonite e migalhas e papéis a ornamentar os estofos do carro. Peritos em assertividade, persuasão, persistência e paciência, sabem o que custa a vida, com todos os seus desconfortos e reveses, o que custa conquistar umas horas de sossego e silêncio, poder soltar uma lágrima na paz da solidão, calar e sorrir quando apetece esmagar crânios como se fossem cascas de sapateira recheada.

Conhecem a química daquilo que divulgam até à exaustão molecular, a aplicação clínica mais convincente, as falhas que a empresa grande não conhece ou teima em não ver e sabem voltar atrás, às suas malas ou viaturas, para nos deixar uma coisa qualquer que não têm a certeza de que vá ser vista, experimentada, prescrita, valorizada.

Alguns apoiam as nossas mais disruptivas loucuras, formações, cursos e práticas clínicas, entre idiossincrasias de egos, indústria, valor e vaidade, tentando, no final do dia, levar cada barco a seu bom porto, muitas vezes sem outro reconhecimento que não o do dinheiro alheio numa conta alheia, ao assegurar o destino económico de quem os emprega. 

Conhecem a história pessoal de quem trabalha na recepção, na assistência, no backoffice, na direcção e não se descosem, porque sabem o que é ter de vestir a máscara do trabalho para poder cumprir a sua dignidade financeira no fim do mês.

Sabem segredos do sucesso profissional de um modo geral, como por exemplo como reciclar energia e reinventar interpretações a cada cara nova que visitam – ainda que os produtos tenham sido os mesmos todo o dia, toda a semana, todo o mês ou ano.

Os chatos dos delegados são um pouco como nós, mas mais humildes. E, na maioria das vezes, muito menos chatos.

Muito obrigada a todos eles, especialmente aos que impulsionam a cansativa vertente da formação, aos que zelam pelo nosso sucesso e dos nossos tratamentos.

Mesmo àqueles (ou especialmente àqueles) que voltam ao carro, apenas para nos poder deixar um fio dentário ou um tubinho de pasta.

16 Janeiro, 2020
Opinião

Notícias relacionadas

Em quem tem confiado a gestão da sua clínica?

Artigo da autoria de Sandra Oliveira, gestora com uma experiência sólida em Gestão, licenciada em Economia e mestre em Finanças, especialista em transformação e melhoria de processos, certificada em Coaching e Eneagrama.

Ler mais 30 Dezembro, 2020
Opinião

Até já

Crónica da médica dentista Cátia íris Gonçalves publicada na DentalPro 153/154.

Ler mais 23 Novembro, 2020
Opinião