O dito pelo não dito ou um “equívoco” que nos envergonha a todos

Imagem da notícia: O dito pelo não dito ou um “equívoco” que nos envergonha a todos

O médico dentista António José de Sousa escreve-nos no seguimento do anúncio das novas datas para as eleições da Ordem dos Médicos Dentistas (OMD), que voltam realizar-se em junho:

Num “jogo” de absoluta incompetência, as eleições para os órgãos da OMD foram adiadas como era de esperar. A nova data anunciada (setembro) parece não cumprir os requisitos legais; assim sendo somos prendados com mais uma comunicação e vídeo do Presidente da Mesa da Assembleia Geral que também é o Presidente da Comissão eleitoral. 

A justificação está neste parágrafo:
“- o levantamento da suspensão do processo eleitoral, pelo que ao abrigo do art. 18.º do Decreto-Lei n.º 10-A/2020, de 13 de Março, que estabelece o limite legal de 30 de junho, marco o dia das eleições para o dia 27 de Junho, devendo as listas candidatas ser entregues até ao limite do dia 15 de Maio, com inteira salvaguarda das regras regulamentares e legais sobre a matéria”.

Todo este processo deixa algumas dúvidas. A primeira é como é possível decidir uma data que estava errada. Qual o parecer jurídico que a sustentou? Quem o pediu? Quem o fez? Quem foi o responsável pelo mesmo? Pelas palavras do colega João Caramês, fica a leitura que o responsável pelo “equívoco” é o senhor Bastonário. A segunda questão é se esta situação aconteceu por absoluta incompetência, “distração”, ou se foi uma jogada para que as possíveis listas candidatas se distraíssem e apostando na nova data de setembro não preparassem a sua candidatura; com a nova antecipação a probabilidade  de serem “apanhadas de calças na mão” poderia ser elevada. A terceira é quem pediu o segundo parecer que contaria o primeiro? Porque foi pedido? Quem o fez? Tudo isto é lamentável. À semelhança do que não está a acontecer em relação a guidelines para quando for levantado o período de contingência, todo este processo mostra mais uma vez uma absoluta falta de competência (ou não…) e de respeito para toda a classe. 

Vamos ver se não teremos outra comunicação pessoal utilizando os meios da OMD, desta vez a anunciar que devido à actual situação e depois de muito ponderar a recandidatura será uma realidade, tendo servido este período para tomar o pulso aqueles que sempre o acompanharam e neste momento poderiam deixar algumas dúvidas em relação à sua fidelidade. 
Não podemos esquecer que pelas palavras ouvidas há uma semana, este adiamento até teve o beneplácito do Senhor Presidente da República, um especialista em direito como foi  referido. 

Triste sina a nossa, que no momento mais difícil da sociedade portuguesa e da medicina dentária cada vez nos sintamos mais órfãos e abandonados nesta tempestade perfeita.  Nem a “Mensagem” a Garcia foi entregue, nem “Soldado Ryan” foi resgatado; como alguém comentou, com esta equipa o filme nunca teria sido feito.  

No pouco tempo que lhe resta e depois de toda esta trapalhada, senhor Bastonário só lhe resta uma saída, demita-se para bem da medicina dentária e faça a sua travessia do deserto rumo ao cargo político que sempre ambicionou e que certamente lhe estará prometido, pois sempre tratou melhor aqueles que nos governam do que aqueles que deveria ter governado em 19 anos que foi Bastonário.

26 Abril, 2020
Opinião

Notícias relacionadas

Em quem tem confiado a gestão da sua clínica?

Artigo da autoria de Sandra Oliveira, gestora com uma experiência sólida em Gestão, licenciada em Economia e mestre em Finanças, especialista em transformação e melhoria de processos, certificada em Coaching e Eneagrama.

Ler mais 30 Dezembro, 2020
Opinião

Até já

Crónica da médica dentista Cátia íris Gonçalves publicada na DentalPro 153/154.

Ler mais 23 Novembro, 2020
Opinião